O E-commerce precisa de atenção!

 
 

Por conta do coronavírus, aprendemos a viver de uma maneira diferente, evitando aglomerações ou aproximação de outras pessoas, isso fez com que vários setores crescessem, um deles o mundo online. O isolamento aumentou as vendas online, intensificando também o e-commerce de varejistas, apps de delivery, supermercados e muito mais.

 

Efeito da quarentena no E-commerce

O crescimento do e-commerce já era uma realidade. Normalmente os crescimentos anuais estavam em torno de 20% no Brasil, mas a quarentena proporcionou uma atividade totalmente diferente, a busca de novos produtos. A área da saúde teve uma alta de 131% no faturamento, sendo a que mais cresceu. Seguindo os crescimentos, a área de beleza e perfumaria cresceu 74%, instrumentos musicais 56%, pet shop 47% e, esporte e lazer com crescimento de 40%, segundo a Compre&Confie.

Mesmo com o crescimento, essas categorias representam apenas 15% da receita do e-commerce. Com o isolamento as empresas tiveram que adiantar a evolução do comércio eletrônico, e a ideia é que mais produtos estejam disponíveis para a venda online.

Dados vs Segurança

Como você já deve ter visto, para ingressar em um app alguns dados devem ser fornecidos, como CPF, e-mail, cartão de crédito e em algumas vezes o endereço. Mas qual é o papel da empresa nesse processo? Como esses dados estão sendo armazenados e qual a segurança? É para isso que a Lei de Proteção de Dados entra em ação.

A LGPD estabeleceu regras na coleta e no tratamento de informações de pessoas, empresas e instituições públicas, direitos de titulares de dados, responsabilidades do responsável que processa esses registros e as estruturas e formas de fiscalização. Isso significa que ao coletar um dado, as empresas devem informar a finalidade, no caso do usuário estar de acordo a repassar suas informações. Por exemplo, quando você aceita com os termos e condições de um aplicativo, a empresa passa a ter o direito de tratar seus dados desde que respeite a lei. A Lei de Proteção de Dados previu uma série de obrigações, como a segurança das informações e a notificação do titular caso aconteça um incidente de segurança. 

O e-commerce deve atentar-se a LGPD?

Sim! Qualquer empresa, seja ela online ou física que coleta dados de seus usuários deve respeitar a LGPD. O gerente executivo de política industrial da Confederação Nacional da Indústria (CNI), João Emílio Gonçalves, relatou que tem recebido diversas empresas preocupadas com a adaptação às exigências da lei. Isso porque muitos negócios não se viam como estão relacionados à coleta e tratamento de dados, e com a adoção de novos modelos eles perceberam seu envolvimento com essas atividades. 

Como adequar o e-commerce respeitando a LGPD?

Para começar é indispensável atualizar a Política de Privacidade da sua empresa, sempre trazendo transparência sobre o tratamento de dados pessoais. 

Os Cookies também podem melhorar a experiência do usuário na navegação da internet, possibilitando que ele tenha acesso a mais conteúdos. Você já deve ter percebido em algumas páginas aquela mensagem no rodapé, sobre a utilização de Cookies por meio de um link para a página de Política de Privacidade, essa é uma boa maneira de transparecer para seus usuários que seu site colhe Cookies. 

Além disso, outras informações são importantes, como:

Cadastro de clientes: na maioria dos e-commerces o cadastro para a compra é obrigatório e, por motivos de segurança, é muito importante informar os motivos de se efetuar o cadastro. Para evitar fraudes, muitas lojas investem em parceiros como o Pagseguro ou empresas de proteção de sites como o E-bit. 

Lista de desejos: essa é uma forma de entender o perfil de compra do seu cliente, e além de ser útil para sua empresa, é também para o usuário. Porém, é muito importante esclarecer como esse recurso funciona. Isso também se aplica aos formulários, sempre passando a finalidade e o tratamento que aqueles dados receberão.  

Pesquisa de informação: aqui o cliente passa a ter direito a solicitação sobre a situação dos seus dados, podendo averiguar a finalidade e também o anonimato ou exclusão dos dados. Feito isso, sua empresa tem o prazo de 15 dias para disponibilizar o retorno da solicitação. É importante que seu e-commerce tenha protocolos para o caso de algum cliente querer verificar seus dados. 

Disponha tempo e experiência para o usuário

Com o aumento de acessos e cadastros, os sistemas podem ficar mais lentos, prejudicando o usuário na hora de finalizar suas compras. E no pior dos casos, os clientes podem sofrer danos com seus dados caso não forem manuseados e administrados da forma correta. Mas como evitar que isso aconteça?

Invista em um sistema de gestão. Essa é a melhor forma de manter seus cadastros controlados, organizados e o principal, seguros. Com uma boa ferramenta, ela passa a ser uma aliada na rotina do seu e-commerce, aumentando a produtividade da equipe, e garantindo mais tempo para você pensar no seu negócio. 

Aqui na Dataside você encontra vários serviços que vão auxiliar nesse momento. Fale conosco!

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts recentes

Família ISO 27001

A ISO 27001 é a principal norma pela qual uma organização obtém a certificação empresarial em gestão de segurança da informação. Para explicar melhor sobre

Leia mais »